Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Aprovação de AC por decurso de prazo está mantida

Notícias

Aprovação de AC por decurso de prazo está mantida

Ato de Concentração

Parecer esclarece posição do Cade sobre veto presidencial
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 09/02/2012 11h20 última modificação: 03/05/2016 15h17

O plenário do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade aprovou, por unanimidade, nesta quarta-feira (8), durante a 508ª Sessão de Julgamento, o parecer apresentado pelo procurador-geral Gilvandro Araújo, que esclarece a interpretação da autarquia acerca do veto presidencial ao artigo 64 da nova lei antitruste – 12.529/2011. 

De acordo com o documento, a aprovação de atos de concentração econômica – AC será automática em caso de decurso de prazo para avaliação dos processos. “A posição uníssona do Conselho é a de que o veto presidencial não aboliu o decurso de prazo”, garantiu Gilvandro. 

O entendimento é de que se o prazo estipulado para análise das operações de fusão e aquisição – 240 dias, prorrogáveis por mais 90 – for descumprido, as operações serão aprovadas tacitamente. A regra não se aplicará, no entanto, a outros prazos, como o de distribuição dos processos aos conselheiros.

Ainda de acordo com o parecer, dispositivos que respaldem essa interpretação legal do Cade serão introduzidos no regimento interno. A proposta do novo regimento passará, em breve, por consulta pública. 

Razões do veto presidencial

 A presidenta Dilma Rousseff vetou o artigo 64 da nova lei do Cade porque da forma como o foi redigido estabelecia aprovação tácita dos atos de concentração como conseqüência automática de quaisquer dos prazos fixados na legislação. A medida, segundo a presidenta, seria desproporcional e teria potencial de acarretar graves prejuízos à sociedade.

Para acessar o parecer da ProCade, clique aqui.