Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Cade aprova compra da Nextel pela Claro sem restrições

Notícias

Cade aprova compra da Nextel pela Claro sem restrições

Ato de Concentração

Tribunal da autarquia entendeu que a operação não desperta preocupações concorrenciais
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 11/12/2019 13h07 última modificação: 11/12/2019 13h10

Na sessão de julgamento desta quarta-feira (11/12), o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, sem restrições, a aquisição de 100% do capital social da Nextel Telecomunicações pela América Móvil – empresa controladora da Claro.

O ato de concentração já havia recebido o aval da Superintendência-Geral da autarquia, mas foi submetido à análise do Tribunal devido à interposição de recurso pela TIM, habilitada como terceira interessada no processo.

Em seu voto, o conselheiro relator Sérgio Ravagnani, analisou, entre outros aspectos, a eventual probabilidade de exercício de poder de mercado por parte das empresas no mercado de SMP – que abrange os serviços de ligações locais, nacionais e internacionais, o envio de mensagens de textos SMS e MMS e o acesso móvel à internet (serviço de dados).

Ravagnani concluiu que as condições de rivalidade observadas nesse mercado se mostraram suficientes para afastar possíveis preocupações concorrenciais, mesmo nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, onde a atuação da Nextel é mais relevante. O entendimento foi seguido por unanimidade/maioria do Tribunal.

Por fim, o conselheiro relator destacou que a autarquia acompanhará de forma atenta as movimentações no setor.

“O mercado de SMP brasileiro apresenta grau de concentração significativo e o mercado de telecomunicações como um todo deverá passar por diversas alterações decorrentes dos constantes avanços tecnológicos e da implementação da tecnologia 5G. O Cade está e estará atento aos movimentos desse mercado, atuando preventivamente por meio da análise de atos de concentração e, caso necessário, de forma repressiva na apuração de eventuais condutas anticompetitivas”, afirmou.

A operação envolvendo Nextel e Claro também foi submetida à análise da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), que concedeu anuência para sua implementação.

Acesse o Ato de Concentração nº 08700.002013/2019-56.