Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Cade autoriza cooperação logística entre distribuidoras para normalizar abastecimento de combustíveis

Notícias

Cade autoriza cooperação logística entre distribuidoras para normalizar abastecimento de combustíveis

Combustíveis

Medidas emergenciais terão duração máxima de 15 dias
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 29/05/2018 15h57 última modificação: 29/05/2018 20h01

Em Sessão Plenária Extraordinária realizada nesta terça-feira (29/05), o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) homologou despacho do superintendente-geral, Alexandre Cordeiro, que autoriza a celebração de “Protocolo de Crise de Abastecimento” apresentado pelas empresas Raízen Combustíveis, Petrobras Distribuidora e Ipiranga Produtos de Petróleo.

O documento foi peticionado no órgão na segunda-feira (28/05) e propõe cooperação logística mútua entre as distribuidoras para otimizar o armazenamento, transporte e distribuição de combustíveis. O objetivo é regularizar o abastecimento após o término das manifestações realizadas pelos caminhoneiros.

“Trata-se de medida excepcional e emergencial visando a melhoria do bem-estar social em momento de crise”, destacou Cordeiro.

O protocolo prevê que as distribuidoras poderão adotar, entre outras, as seguintes medidas:

a)    Criar centros integrados de operação logística, de acordo com a localização de suas bases de distribuição e de sua frota, o estoque de produtos combustíveis, os centros consumidores, a demanda de autoridades, de prestadores de serviços públicos e coletivos e da sociedade em geral;

b)   Ordenar a prioridade de abastecimento, considerando que os serviços públicos essenciais ao bem-estar social, à saúde e à segurança da população terão prioridade sobre quaisquer outras demandas de abastecimento;

c)    Quando do atendimento da sociedade em geral, serão observados critérios de isonomia, não configurando em nenhuma hipótese discriminação de adquirentes;

d)   Dividir em partes iguais os custos variáveis e extraordinários necessários à implementação do protocolo, que serão integralmente arcados pelas empresas.

As medidas terão duração máxima de 15 dias. Esse prazo poderá ser reduzido caso a situação volte à normalidade antes do tempo estimado.

Durante a cooperação, as empresas deverão continuar atuando de forma independente, não sendo permitido o compartilhamento de informações sensíveis, somente operacionais. Além disso, as distribuidoras apresentarão ao Cade todos os documentos utilizados para a fundamentação e adoção das medidas, de forma a permitir a fiscalização do órgão durante o período.