Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Cade celebra acordo de reversibilidade da aquisição da Brasfrigo pela Goiás Verde

Notícias

Cade celebra acordo de reversibilidade da aquisição da Brasfrigo pela Goiás Verde

Ato de Concentração

Órgão antitruste determinou a notificação do ato de concentração e analisa ocorrência de gun jumping
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 29/01/2015 15h00 última modificação: 18/04/2016 17h21

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade constatou que a aquisição da Brasfrigo Alimentos Ltda. pela Goiás Verde Alimentos Ltda. teria sido consumada antes da notificação e aprovação do órgão – prática conhecida como gun jumping. Desse modo, foi assinado com as empresas um Acordo de Preservação da Reversibilidade da Operação – APRO, homologado na sessão de julgamento desta quinta-feira (29/01).

A aquisição da Brasfigo pela Goiás Verde foi realizada em outubro de 2012. Após tomar conhecimento da operação por intermédio de notícias veiculadas na imprensa, a Superintendência-Geral abriu Procedimento Administrativo para Apuração de Ato de Concentração (Apac 08700.007161/2013-71) e constatou, em novembro passado, que essa aquisição deveria ter sido submetida ao órgão antitruste antes de ser consumada.

Ao determinar a notificação do ato de concentração ao Cade, a Superintendência solicitou às empresas a apresentação de documentos e de informações sobre a atual situação dos ativos transferidos na operação. Também foi estabelecido que a Goiás Verde e a Brasfigo propusessem medidas acautelatórias de forma a assegurar a reversibilidade do ato, caso o Cade, depois de analisar a aquisição, entenda ser necessário adotar essa medida.

Após negociar e assinar a proposta de APRO oferecida pelas empresas, a Superintendência-Geral a encaminhou ao Tribunal do Cade, que referendou o acordo. O APRO estabelece condições que garantem a reversibilidade da operação e mitigam, em parte, os impactos decorrentes de sua consumação antecipada até a decisão final do órgão antitruste.

O ato de concentração segue em análise na Superintendência-Geral, que emitirá parecer sobre os impactos concorrenciais da aquisição e encaminhará o caso ao Tribunal para julgamento. Caberá ao Conselho decidir sobre a aprovação da operação e a efetiva ocorrência de gun jumping, podendo aplicar sanções se a infração for confirmada.

Consulta Pública – No final do ano passado, o Cade colocou em consulta pública proposta de Resolução que disciplina o Procedimento Administrativo para Apuração de Ato de Concentração – Apac por meio do qual a Superintendência-Geral apura a ocorrência de consumação antecipada de operação cuja notificação é obrigatória (de acordo com os requisitos previstos na Lei 12.529/11). Por meio da Apac o órgão antitruste também pode determinar a apresentação de atos que não se enquadrem nos critérios legais, mas que possuem potencial de restringir a concorrência. As contribuições recebidas na consulta pública estão sendo discutidas pelo Conselho.