Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Cade firma dez acordos em investigação de cartel no mercado de mineração de areia no PR

Notícias

Cade firma dez acordos em investigação de cartel no mercado de mineração de areia no PR

TCC

Ao total, será recolhido R$ 1,3 milhão a título de contribuição pecuniária
por publicado: 25/03/2015 15h00 última modificação: 18/04/2016 16h01

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade homologou, nesta quarta-feira (25), dez Termos de Cessação de Conduta – TCCs com empresas, uma associação e uma pessoa física a ela relacionada em processo que apura formação de cartel no mercado de mineração de areia no Paraná (PA 08012.004430/2002-43). Ao total, será recolhido R$ 1,3 milhão ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos – FDD, a título de contribuição pecuniária.

Os acordos foram firmados com a Associação das Indústrias Extrativas de Areia do Noroeste – APA e seu presidente à época dos fatos, Geraldo José Bacchi da Silva, além das empresas Baleal Indústria e Comércio de Areia Ltda., Porto de Areia do Lago Ltda., Porto de Areia Cristo Rei Ltda., Indústria e Comércio de Areia e Pedra Vera Cruz Ltda. – ME, Daniel de Oliveira Reis & Cia. Ltda., Vilmar Pasquali & Cia. Ltda., J.M. Lada & Cia. Ltda., Manoel Cruz Malassise Neto, Mineração Nova Londrina Ltda..

O processo administrativo foi instaurado a partir de denúncia encaminhada pelo Ministério Público do Estado do Paraná – MPE/PR pelo Sindicato do Comércio Varejista de Ferragens, Tintas, Madeiras, Materiais Elétricos, Hidráulicos e Materiais para Construção de Maringá e Região – Simatec.

A análise do caso levou em consideração o Termo de Ajustamento de Conduta – TAC firmado entre o MPE/PR e algumas das empresas investigadas, cujo objetivo era a preservação e recuperação ambiental das áreas situadas às margens do Rio Paraná. O termo estabeleceu a criação da Associação das Indústrias Extrativas de Areia do Noroeste – APA e a implementação de um terminal de descarga e armazenamento de areia a ser utilizado de maneira conjunta pelas empresas e pela associação.

De acordo com a confissão das empresas, da associação e do seu presidente à época, diversas atas de reunião da associação descrevem ocasiões em que houve compartilhamento de informações comercialmente sensíveis entre concorrentes filiados. Além disso, a expansão do terminal era votada na associação, o que permitia que alguns agentes, com a manipulação dos votos, pudessem impedir o crescimento e o acirramento da concorrência.

Com a celebração dos TCCs ficou determinado que a administração do terminal deverá ser realizada por um terceiro independente, encarregado de lidar com as demandas cotidianas que dependam do conhecimento de preços, quantidades, custos, clientes, capacidades ociosas e outros parâmetros que, se de conhecimento de concorrentes, poderiam falsear a competição no mercado de mineração de areia no Paraná.

Os acordos estabelecem ainda mecanismos de expansão automática da capacidade instalada conjunta do terminal sem a necessidade de consulta prévia aos associados, e desde que o terminal tenha atingido reduzida capacidade ociosa. A medida visa a impedir que os extratores de areia de maior porte boicotem eventual expansão dos concorrentes de menor porte com a finalidade de manter a participação de mercado inicial.

Conveniência dos acordos

Durante a sessão de julgamento, o conselheiro relator Márcio de Oliveira Júnior destacou a importância dos acordos firmados nesse caso, apesar de já encerrada a instrução processual em gabinete.

Segundo ele, as compromissárias apresentaram medidas que têm a aptidão de reduzir, sem a intervenção do Cade, a transparência de mercado gerada com a administração conjunta do terminal. Além disso, o relator enfatizou que o estabelecimento de contribuição pecuniária no valor total de R$ 1,3 milhão foi determinante para a celebração dos acordos.

“A fixação da contribuição em valores altos e próximos à multa esperada foi premissa inafastável da negociação junto ao Tribunal, levando em consideração, principalmente, a fase processual avançada das investigações e a robustez do conjunto probatório até então reunido nos autos”, afirmou.

O conselheiro Gilvandro Araújo também ressaltou que, apesar do avançado estágio do processo, as propostas de TCCs foram oportunas. “As partes apresentaram uma solução que mitiga tanto a preocupação ambiental do TAC do Ministério Público quanto a preocupação concorrencial do Cade”.

Já a conselheira Ana Frazão salientou que o caso tinha uma série de peculiaridades e que por meio dos acordos foi possível encontrar “uma solução estrutural que seria difícil de ser implementada de forma unilateral”.

O processo administrativo foi arquivado em relação às empresas Extrativa de Areia Dom Camilo Ltda., à MGA Mineração e Geologia Aplicada Ltda. e a duas pessoas físicas por não existirem nos autos indícios suficientes de infração à ordem econômica.