Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Cade não autoriza compra da Condor pela Tigre

Notícias

Cade não autoriza compra da Condor pela Tigre

Reprovação

Operação resultaria em elevada concentração de mercado
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 02/09/2015 17h00 última modificação: 25/02/2016 12h50

O Tribunal do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade reprovou, nesta quarta-feira (02/09), a compra da totalidade das quotas do capital da Condor Pincéis Ltda. pela Tigre S/A – Tubos e Conexões (AC 08700.009988/2014-09). As empresas chegaram a negociar um Acordo em Controle de Concentrações – ACC, mas consideraram inviáveis medidas estruturais propostas pelo órgão antitruste.

A Condor Pincéis é responsável pela fabricação e comercialização de ferramentas para pintura artística e escolar e para pintura imobiliária. Já a Tigre S/A – Tubos e Conexões pertence ao Grupo Tigre, também formado pelas empresas Pincéis Tigre – Ferramentas para Pintura, Plena – Acessórios em PVC, Claris – Portas e Janelas em PVC e Tigre ADS – Tubos Corrugados em PEAD. Em seu amplo portfólio de produtos, o Grupo Tigre comercializa pincéis, trinchas, rolos, broxas, escovas e acessórios para pintura.

O conselheiro relator do ato de concentração, Márcio de Oliveira Júnior, acompanhou entendimento da Superintendência-Geral do Cade de que a operação, tal como apresentada, resultaria em prejuízos ao setor, como elevada concentração, barreiras à entrada e baixa rivalidade em alguns mercados. Para sanar as preocupações concorrenciais, as empresas propuseram ao órgão antitruste a assinatura de um ACC, que foi negociado pelo gabinete do relator do caso.

Para o conselheiro, o pressuposto para a análise dos remédios propostos pelas requerentes – que eram comportamentais – seria a existência de remédios estruturais que também afastassem os efeitos anticompetitivos decorrentes da operação. Desse modo, foram apresentadas pelo Cade medidas que deveriam ser somadas àquelas trazidas pelas empresas.

A primeira medida estrutural apresentada seria a venda de ativos no mercado de pincéis, inserido na chamada Linha Artística. Isso porque, após a operação, a participação conjunta nesse mercado ultrapassaria 65% e não há outros agentes capazes de concorrer com Tigre e Condor no segmento.

Já para a Linha Imobiliária – que abrange trinchas, rolos, acessórios para pintura, broxas e escovas –, o conselheiro Oliveira Júnior propôs a venda de centros de distribuição dos produtos. A medida obrigaria a redução de estruturas duplicadas de distribuição, que seriam resultantes da união das empresas, e teria potencial de diminuir o preço do produto final, caso houvesse repasse efetivo da redução de custos ao consumidor.

“Por outro lado, a disponibilização desses centros a terceiros poderia conferir uma vantagem competitiva a outros players de modo a incrementar a rivalidade no mercado”, explicou Oliveira Júnior.

Por fim, foi proposto que a Tigre não poderia ficar com a marca Condor. A solução apresentada pelo Cade diz respeito à concessão da licença da marca a outro concorrente. Para o relator, o licenciamento, ainda que temporário, da marca Condor à Tigre tem o potencial de suprimir essa importante marca do mercado, o que reduziria as opções ao consumidor na busca de produtos que substituíssem os da Tigre.

“A permanência da marca Condor no mercado é fator relevante para manter o leque de opções ao consumidor em relação aos produtos integrantes da linha imobiliária e artística”, esclareceu.

Após a apresentação dessas medidas pelo Cade, as requerentes argumentaram reiteradas vezes que apenas os remédios comportamentais e também os estruturais sugeridos para a linha imobiliária (venda de centros de distribuição e licenciamento da marca para terceiro) seriam suficientes para sanar os problemas concorrenciais identificados. Além disso, elas estariam dispostas a elaborar um conjunto mais robustos para solucionar esses fatores. No entanto, não apresentaram qualquer contraproposta em relação a uma medida estrutural que propiciasse maior rivalidade no mercado de pincéis.

“Além das medidas comportamentais, entendo que a parte estrutural da operação estaria solucionada se os três pilares [venda de ativos para produção de pincéis, venda de centros de distribuição e licenciamento da marca Condor para terceiro] apresentados fossem adotados. Vale ressaltar que a ausência de quaisquer deles inviabiliza a aprovação do ato de concentração em virtude do elevadíssimo potencial anticompetitivo das novas estruturas de mercado criadas pela operação”, concluiu o relator.