Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Cade nega recurso da Cascol contra medida preventiva em investigação de cartel de combustíveis no DF

Notícias

Cade nega recurso da Cascol contra medida preventiva em investigação de cartel de combustíveis no DF

Cartel

Tribunal entendeu que a decisão da Superintendência-Geral é apropriada e preenche todos os requisitos legais
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 03/02/2015 14h00 última modificação: 07/03/2016 12h39

O Tribunal do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade indeferiu, na sessão de julgamento desta quarta-feira (03/02), recurso interposto pela empresa Cascol Combustíveis para Veículos Ltda., que buscava suspender a medida preventiva adotada pela Superintendência-Geral no inquérito administrativo que investiga um suposto cartel de combustíveis no Distrito Federal. Para o Conselho, a decisão da Superintendência-Geral é apropriada e preenche todos os requisitos legais.

De acordo com o conselheiro relator do recurso (Recurso Voluntário nº 08700.000719/2016-31), Gilvandro Araújo, a medida preventiva é necessária uma vez que as provas já colhidas no inquérito administrativo demonstram que a conduta da Cascol no mercado de revenda de combustíveis do DF continua gerando danos à concorrência e aos consumidores.

“A análise empreendida ao longo do voto demonstrou que o dano não é apenas permanente, contínuo, mas também vem se agravando. A elevação das margens médias de revenda para os combustíveis analisados (gasolina comum, etanol e óleo diesel comum) em período de crise da economia brasileira demonstra uma intensificação da conduta colusiva nesse mercado, o que reforça a necessidade de medidas imediatas para interromper esse cenário”, avaliou Araújo.

No entendimento do Tribunal do Cade, a estipulação de um administrador independente para a Cascol, indicado pela própria empresa e para conduzir apenas parte do negócio, mostra-se como medida extremamente adequada e oportuna para os propósitos indicados.

A interposição de recurso voluntário pela Cascol perante o Tribunal da autarquia não interrompe o prazo de 15 dias, determinado pela Superintendência-Geral, para que a empresa apresente ao Cade uma lista com ao menos cinco opções de administradores provisórios, com reputação ilibada, experiência e comprovada independência, para administrar os postos objeto da medida. Desse modo, a Cascol tem até o dia 10 de fevereiro para apresentar a lista.

Outros casos - O relator Gilvandro Araújo afirmou ainda que o Cade, quando necessário, tem adotado medidas preventivas em processos administrativos, sendo que o órgão tem sido respaldado pelo Poder Judiciário em diversas decisões. Araújo destacou o recente caso do consórcio Gemini, no qual a Superintendência-Geral do Cade, por meio de medida preventiva, determinou a cessação de possível tratamento discriminatório no fornecimento de gás pela Petrobras ao consórcio. A medida foi considerada válida pelo Superior Tribunal de Justiça, em dezembro passado.

Araújo também apontou que medidas mais gravosas já foram estabelecidas por outras autoridades da concorrência, como, por exemplo, a que se refere a um cartel de cimento na França. Nesse caso, decidiu-se pela limitação de venda do produto pelas sociedades Béton de France, Super Béton, Béton Chantiers du Var et Société méditerranéenne de béton a um determinado raio e a preço unitário não inferior ao custo médio variável de produção, conforme critérios descritos na decisão.

Além disso, o relator apontou que a técnica de nomeação de um terceiro independente indicado pela própria empresa, segundo critérios objetivos e pré-estabelecidos, para cumprir uma determinada missão, não destoa da prática do Conselho, sendo utilizada, por exemplo em atos de concentração.