Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Cade participa de seminário internacional sobre defesa da concorrência

Notícias

Cade participa de seminário internacional sobre defesa da concorrência

Evento

25º Seminário Internacional de Defesa da Concorrência, organizado pelo Ibrac, ocorreu em Campinas (SP)
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 08/11/2019 17h48 última modificação: 08/11/2019 17h48

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) participou, nesta semana, do 25º Seminário Internacional de Defesa da Concorrência, organizado pelo Instituto Brasileiro de Estudos de Concorrência, Consumo e Comércio Internacional (Ibrac). O evento ocorreu em Campinas (SP), entre os dias 6 e 8 de novembro, e reuniu membros da autarquia, profissionais da área concorrencial e acadêmicos para discutir questões relevantes do antitruste.

Durante o congresso, o presidente do Cade, Alexandre Barreto, e o superintendente-geral, Alexandre Cordeiro, realizaram um balanço de gestão. Entre as conquistas referentes ao último ano, tiveram destaque o ingresso da autoridade antitruste como membro permanente do Comitê de Concorrência da OCDE e os acordos firmados pela autarquia.

“O Cade é reconhecido como uma das melhores e mais eficientes autoridades antitruste do mundo. Nesse contexto, destaco a importância do Ibrac. Essa construção coletiva, com diálogo entre setor público e privado, que nos faz estar no patamar em que estamos”, afirmou Barreto durante sua fala.

Painéis

No primeiro dia de evento (06/11), o superintendente-geral do Cade, Alexandre Cordeiro, abordou questões envolvendo aquisição de startups. Ele tratou dos desafios de conciliação entre o incentivo à inovação e a proteção da concorrência, além dos limites para intervenção antitruste.

A conselheira do Cade Paula Azevedo e o superintendente-adjunto Diogo Thomson de Andrade, por sua vez, discutiram concorrência e poder de mercado na era dos algoritmos. Durante o painel eles analisaram o potencial positivo desses elementos – como proporcionar bem-estar ao consumidor e promover inovações e eficiências – e negativos – possibilidade de fomentar o conluio tácito, condicionar negativamente a escolha do consumidor ou gerar vantagens competitivas ilegais.

Já no segundo dia de seminário (07/11), o procurador-chefe adjunto do Cade, Rodrigo Belon, abordou o compartilhamento de informações e documentos, e o fomento às ações civis de reparação por danos concorrenciais. Lucas Freire, coordenador da Superintendência-Geral, falou em painel sobre atividades de benchmarking e quando a prática pode prejudicar a concorrência ao invés de incentivá-la.

A economista-chefe adjunta da autarquia, Patrícia Sakowski, analisou como as plataformas online estão afetando os mercados, enquanto o coordenador da SG Ademir Picanço de Figueiredo avaliou em painel a forma atual de aplicação de depoimentos e provas testemunhais em sede de processos administrativos no Cade.

Por sua vez, o superintendente-adjunto do Cade Kenys Menezes Machado abordou os desafios na aplicação de remédios e utilização de métodos quantitativos com relação às fusões verticais. O coordenador da SG Mario Sérgio Gordilho falou sobre a alocação de riscos concorrenciais em operações de atos de concentração, e o chefe de gabinete da SG, Alden Caribé, analisou preocupações concorrenciais nos mercados de trabalho.