Você está aqui: Página Inicial > Notícias > DEE analisa efeitos de medidas antidumping na indústria brasileira

Notícias

DEE analisa efeitos de medidas antidumping na indústria brasileira

Diminuição da competitividade

Estudo do Departamento em parceria com o Pnud mostra que ações são prejudiciais ao setor
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 14/07/2017 10h56 última modificação: 14/07/2017 11h37

A ampliação de medidas antidumping no cenário econômico brasileiro tem contribuído para a redução da produtividade da indústria e para o aumento do poder de mercado das empresas beneficiadas.

A conclusão é de estudo divulgado nesta sexta-feira (14/07) pelo Departamento de Estudos Econômicos – DEE do Conselho Administrativo de Defesa Econômica.

Realizado por meio de projeto de cooperação técnica internacional com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). O documento “Antidumping e concorrência no Brasil – uma avaliação empírica” avaliou, entre 2003 e 2013, ações de antidumping aplicadas a firmas estrangeiras que foram peticionadas por empresas nacionais.

De acordo com o trabalho, “a aplicação de medidas antidumping pelo governo brasileiro tem contribuído para o ambiente de redução da produtividade da indústria, juntamente com o aumento do poder de mercado das firmas diretamente beneficiadas por essas medidas. Os resultados obtidos não se traduzem em benefícios para a atividade econômica em geral”, diz o texto.

Por meio da análise de dados como produtividade total dos fatores (TPF), margem de lucro (mark-up), receitas e custos, entre outros, o estudo demonstra que a aplicação de medidas antidumping diminuem a competitividade industrial e o grau de concorrência, o que acaba por beneficiar os setores protegidos por estas medidas frente às demais áreas da indústria.

O trabalho faz uma ressalva de que, apesar do uso de ações antidumping terem crescido por parte de países desenvolvidos e em desenvolvimento, este tipo de instrumento “pode comprometer não apenas o aumento da eficiência econômica do setor protegido, mas a competitividade geral da economia, uma vez que muitos dos produtos atingidos pelas medidas são insumos para outras indústrias”.

Clique aqui para acessar a íntegra do trabalho.