Você está aqui: Página Inicial > Notícias > GásLocal e Gasmig pagarão R$ 90 mil por prática de gun jumping

Notícias

GásLocal e Gasmig pagarão R$ 90 mil por prática de gun jumping

Gun Jumping

Empresas consumaram negócio sem aprovação prévia do Cade
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 24/06/2015 15h20 última modificação: 18/04/2016 14h54

Na sessão de julgamento desta quarta-feira (24/06), as empresas GNL Gemini Comercialização e Logística de Gás Ltda. – GásLocal e Companhia de Gás de Minas Gerais – Gasmig comprometeram-se, perante o Tribunal do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade, a pagar o montante de R$ 90 mil pela prática de gun jumping – quando ocorre consumação da operação sem autorização prévia do órgão antitruste.

A Gasmig faz parte do Grupo Cemig que atua, com exclusividade, na distribuição de gás natural canalizado em todo o território do estado de Minas Gerais (por concessão do governo estadual). Já a GásLocal é uma joint-venture entre a White Martins Gases Industriais Ltda. do Grupo Praxair Inc., e a Petrobras Gás S., do Sistema Petrobras, que tem como principal atividade a comercialização de gás natural liquefeito – GNL.

O Cade entendeu que houve gun jumping no ato de concentração que trata de contrato firmado entre as empresas para regular, em linhas gerais, as condições para fornecimento de GNL pela GásLocal à Gasmig (AC 08700.000137/2015-73). O objetivo da Gasmig é suprir a demanda por gás natural do município de Pouso Alegre/MG, ainda não atendido por gasodutos de distribuição.

O negócio foi formalizado em janeiro de 2014, e notificado ao órgão antitruste apenas um ano depois. Embora não tenha identificado problemas concorrenciais na operação, a Superintendência-Geral do Cade se manifestou pela ocorrência de consumação prematura do ato de concentração e enviou os autos para apreciação do Tribunal do órgão.

Para a conselheira relatora do caso, Ana Frazão, a consumação prévia da operação não se limitou à prática de atos de administração ordinária, mas sim de atos de gestão voltados à concretização do negócio. Ela destacou que, entre a assinatura do contrato e a sua posterior apresentação ao Cade, foram realizadas pelas empresas ações nas quais há clara ocorrência do gun jumping.

O valor da contribuição pecuniária a ser pago pelas empresas foi firmado com o Cade por meio de um Acordo em Controle de Concentrações – ACC proposto pelas partes. Pelo acordo, a GásLocal e a Gasmig reconhecem que determinados atos praticados desde a assinatura do contrato implicaram consumação prematura da operação, em descumprimento à lei de defesa da concorrência.

“As obrigações assumidas pelas empresas, notadamente a confissão e a contribuição pecuniária prevista, são suficientes e proporcionais para assegurar o caráter dissuasório pretendido pelo Cade. Além disso, as medidas atendem a todas as particularidades do caso sem afetarem o consumidor”, afirmou a relatora.

A relatora do caso ressaltou ainda que a associação entre as empresas viabiliza a expansão da rede de dutos para transporte de gás, beneficiando diretamente os consumidores do município de Pouso Alegre/MG.