Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Instituto Aço Brasil firma acordo em investigação de abuso de direito de petição

Notícias

Instituto Aço Brasil firma acordo em investigação de abuso de direito de petição

TCC

TCC homologado nesta quarta-feira determina desistência de ações judiciais e pagamento de contribuição pecuniária
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 01/02/2017 15h43 última modificação: 02/02/2017 12h44

 O Tribunal do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade homologou, na sessão de julgamento desta quarta-feira (01/02), Termo de Compromisso de Cessação – TCC proposto pelo Instituto Aço Brasil – IABr para encerrar processo administrativo que apura prática de abuso do direito de petição por parte da entidade representativa com a finalidade de prejudicar importadores concorrentes de vergalhões de aço – conduta internacionalmente conhecida como sham litigation (PA 08012.001594/2011-18).

O caso teve início em 2011, a partir de representação formulada ao Cade pela Associação Brasileira das Empresas Importadoras e Fabricantes de Aço – Abrifa, que acusou o Instituto de ajuizar diversas ações judiciais para impedir a importação de vergalhões de aço por empresas estabelecidas no mercado brasileiro.

O IABr teria movido ações cautelares de produção antecipada de provas, com pedido de liminar, questionando a conformidade das mercadorias importadas com as normas técnicas brasileiras de segurança. Em razão dessas ações, as cargas de vergalhões de aço importado estariam sendo retidas nos portos até a realização de perícias, causando inúmeros custos aos importadores e impedindo a circulação da mercadoria no país.

Por meio do acordo celebrado com o Cade (Requerimento 08700.008345/2016-00), a IABr se compromete, entre outras obrigações, a abdicar de todas as ações atualmente em curso sobre a matéria, protocolando pedido de desistência em 30 dias, a partir da assinatura do Termo de Compromisso.

Além de adotar medidas para que sejam encerradas as práticas anticompetitivas, o TCC também prevê que o Instituto pague R$ 271,3 mil a título de contribuição pecuniária, cujo valor será recolhido ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos – FDD.

Para o conselheiro relator Paulo Burnier, o caso demonstra a importância da política de TCCs do Cade para além dos processos tradicionais de cartel. “Além do encurtamento do processo administrativo e do recolhimento de uma contribuição pecuniária ao FDD com base na multa esperada em caso de condenação, a solução permite que a prática sob investigação seja cessada, em particular neste caso com a desistência de todas as 28 ações judiciais em andamento, que é o mais importante em matéria de condutas unilaterais”.

A contribuição pecuniária será paga em quatro parcelas semestrais, devidamente atualizadas pela SELIC.