Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Investigado pelo Cade, CFM revoga normas sobre cartões de descontos para serviços médicos

Notícias

Investigado pelo Cade, CFM revoga normas sobre cartões de descontos para serviços médicos

Investigação

Autarquia apura se entidade representativa estaria ameaçando profissionais e clínicas que aceitam os cartões
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 08/04/2019 15h27 última modificação: 08/04/2019 15h34

Em razão de investigação conduzida pela Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (SG/Cade), o Conselho Federal de Medicina (CFM) decidiu revogar, na última sexta-feira (05/04), uma resolução e outros dispositivos normativos que tratam sobre cartões de descontos para honorários médicos.

A entidade representativa está sendo investigada por supostamente coibir profissionais e estabelecimentos de saúde a aceitarem esses cartões, conhecidos como “Cartão de Todos”, para a prestação de serviços médicos. O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (Cremesp) também está sendo acusado de praticar a conduta.

Em fevereiro passado, quando instaurou o processo administrativo, a SG/Cade adotou medida preventiva contra CFM e Cremesp. A autarquia determinou a suspensão da eficácia de dispositivos normativos relacionados aos cartões de descontos, bem como de todas as resoluções editadas pela entidade federal no que se refere à matéria, até que a análise seja concluída.

O caso segue em instrução e os investigados continuam respondendo ao processo. Ao final da análise, a SG/Cade opinará pela condenação ou arquivamento e remeterá o caso para julgamento pelo Tribunal Administrativo do Cade, responsável pela decisão final. Se forem condenados, CFM e Cremesp estão sujeitos ao pagamento de multa que varia entre R$ 50 mil e R$ 2 bilhões.

Investigação

A investigação teve início em outubro de 2018, a partir de representação feita pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor, órgão da Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça e Segurança Pública. O órgão apresentou ao Cade documentos que apontam indícios de que o CFM e o Cremesp estariam ameaçando médicos e clínicas que aceitam os cartões, abrindo contra eles sindicâncias e processos ético-disciplinares para aplicação de sanções.

Segundo a SG/Cade, há fortes evidências de infração à ordem econômica, tendo em vista que tal proibição restringe a oferta de prestação do serviço médico de forma alternativa aos consumidores, em prejuízo da livre iniciativa e da livre concorrência.

Acesse o Processo Administrativo 08700.005969/2018-29.