Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Parecer sugere reprovação da aquisição da Aliança pela Qualicorp

Notícias

Parecer sugere reprovação da aquisição da Aliança pela Qualicorp

Ato de Concentração

Operação será decidida pelo Tribunal do Cade
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 08/02/2013 17h30 última modificação: 23/03/2016 11h55

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade recomendou, em parecer emitido nesta quinta-feira (7/2), a reprovação da compra das empresas Aliança Administração de Benefícios e GA Consutoria pela Qualicorp Administração de Benefícios. A operação envolve a aquisição, pela Qualicorp, de 60% do capital social de ambas as sociedades. O caso segue agora para análise pelo Tribunal do Cade, que proferirá a decisão final. 

Para a Superintendência-Geral, a aquisição poderia levar a uma redução da competição no mercado de administração de benefícios e, consequentemente, reduzir as vantagens existentes e o bem-estar aos consumidores desse serviço.

O mercado de administração de benefícios é relativamente recente. É composto por empresas que fazem a intermediação da contratação de planos de saúde coletivos por parte de empregadores ou de entidades associativas, como sindicatos e associações de classe, junto a operadoras de planos de saúde. As empresas que atuam nesse segmento auxiliam as contratantes na gestão operacional dos benefícios, assumindo a responsabilidade por diversas atividades, tais como emissão de boletos aos beneficiários, cobrança de inadimplentes e negociações com as operadoras de planos de saúde. 

O parecer da Superintendência-Geral aponta que a Qualicorp é a líder do mercado nacional de administração de benefícios, com participação superior a 70%. Já a Aliança é a principal concorrente e detém aproximadamente 10% do mercado. 

Segundo o parecer, a aquisição resultaria no controle de cerca de 80% do mercado nacional de administração de benefícios por ambas as empresas. Além da elevada concentração, a Superintendência identificou que o mercado apresenta entraves para a instalação de novos concorrentes e baixo nível de rivalidade entre as empresas, de modo que a operação proposta limitaria ainda mais a possibilidade de competição no setor.  

No entendimento da Superintendência-Geral do Cade, os eventuais benefícios resultantes da operação alegados pelas requerentes não são capazes de afastar os potenciais efeitos negativos à concorrência. 

O ato de concentração foi notificado em junho de 2012 e tramita sob as regras da antiga legislação de defesa da concorrência, a Lei 8.884/94.