Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Presidente do Cade assume vice-presidência da ICN

Notícias

Presidente do Cade assume vice-presidência da ICN

evento

Pela primeira vez um brasileiro integra a presidência da organização internacional
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 04/09/2013 11h00 última modificação: 16/03/2016 14h39

O presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade, Vinícius Marques de Carvalho, foi nomeado nesta quarta-feira (4) vice-presidente da International Competition Network – ICN. Trata-se do maior fórum de autoridades da concorrência do mundo, que reúne 128 agências antitruste de 111 jurisdições. O convite para assumir o posto foi feito pelo presidente da ICN, o presidente da autoridade da concorrência da Alemanha (Bundeskartellamt), Andreas Mundt.

Mundt foi eleito na reunião mensal da Coordenação-Geral da ICN, realizada nesta quarta-feira (4), quando formalizou a indicação dos dois vice-presidentes da organização. O presidente da agência antitruste da França (Autorité de la concurrence), Bruno Lasserre, completa a tríade que dirige a organização internacional. Mundt deve ficar no cargo até abril de 2015 e assume a presidência da ICN no lugar do presidente da autoridade da concorrência do México (Comision Federal de Competencia), Eduardo Perez Motta.

Para o presidente do Cade, o convite para assumir o cargo na ICN é um reconhecimento do trabalho que todo o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência vem desenvolvendo nos últimos anos. “Representa uma confirmação de que estamos no caminho certo em relação à implementação de uma política efetiva de defesa da concorrência no país”.

A ICN foi criada em 2001 e funciona como uma plataforma para troca de informações visando à convergência de regras e práticas em matéria de defesa da concorrência. A organização promove encontros, teleconferências, workshops, e elabora guias e recomendações para a consolidação de melhores práticas internacionais. Além disso, a ICN coordena ações para o combate a cartéis internacionais e para o controle de fusões transnacionais.

O Brasil já vinha exercendo papel de destaque na organização internacional, tendo exercido a coordenação de grupos de trabalho, como o de combate a cartéis. No ano passado, o Brasil sediou a conferência anual da ICN. O evento ocorreu na cidade do Rio de Janeiro e reuniu mais de 500 participantes nacionais e estrangeiros.