Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Presidente do Cade conduz última sessão de julgamento de seu mandato

Notícias

Presidente do Cade conduz última sessão de julgamento de seu mandato

Sessão Solene

Antes do início da pauta, Vinicius Marques de Carvalho recebeu homenagens pelos anos em que esteve à frente da autarquia
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 25/05/2016 17h20 última modificação: 25/05/2016 17h11

Nesta quarta-feira (25/05), o presidente do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade, Vinicius Marques de Carvalho, conduziu a última sessão de julgamento de seu mandato, que se encerrará no próximo dia 29 de maio. 

Antes do início da pauta de julgamento, autoridades, representantes de entidades parceiras e servidores do Cade realizaram homenagens ao presidente, ressaltando as suas contribuições à frente da defesa da concorrência no país nos últimos quatro anos.

Participou da solenidade o ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, que destacou o processo bem-sucedido de transição para o novo Cade, em 2012. “Na implantação do novo modelo, Vinicius, com o apoio do órgão colegiado, realizou um brilhante trabalho, sério e competente”, disse. Para o ministro, com o passar dos anos, o Cade tornou-se “um exemplo de agência eficiente e independente, com reconhecimento nacional e internacional”.

Já Eduardo Frade Rodrigues, superintendente-geral do Cade, apontou que o órgão é hoje protagonista do cenário econômico brasileiro e integra a lista de melhores agências antitruste do mundo. Para ele, Carvalho é peça central nesse processo porque, além de reunir excelência técnica, experiência nessa área e talento para diálogo, sua gestão é inovadora e não foi pensada apenas para o período de um mandato.

“A pergunta que o Vinicius se fez quando ele chegou aqui foi ‘como vou deixar o Cade quando eu partir? Como eu quero ver o antitruste brasileiro daqui a 20 anos?’. E isso fez toda a diferença”, afirmou.

O conselheiro Gilvandro de Araújo, em nome dos demais membros do Plenário, destacou resultados apresentados pelo Cade para a sociedade durante a gestão do presidente, como conquistas de premiações nacionais e internacionais, fortalecimento do Departamento de Estudos Econômicos do órgão e modernização de procedimentos. Além disso, mencionou a liderança de Carvalho nas discussões do Conselho. “A sua capacidade de diálogo estimulou que houvesse um debate construtivo, fazendo com que as decisões fossem técnicas, sólidas”, disse. 

O procurador-chefe do Cade, Victor Santos Rufino, e a diretora administrativa, Mariana Boabaid Dalcanale Rosa, também homenagearam o presidente durante a sessão solene. Ambos destacaram características pessoais de Carvalho e como esses atributos contribuíram para facilitar e motivar o trabalho de toda a equipe do órgão desde o período da transição.

Vinicius Marques de Carvalho agradeceu a todos, especialmente ao ministro da Justiça e Cidadania, pelo comprometimento da pasta com a política de defesa da concorrência no Brasil ao longo dos últimos quatro anos.

Em seu discurso, o presidente ressaltou que o Cade só consegue aplicar a política antitruste no país de maneira tão respeitada, eficiente, transparente e com reconhecimento internacional, devido ao engajamento de cada gestão do órgão ao longo dos anos.

Além disso, o processo de decisão do Cade sempre foi aberto e disposto a enfrentar contraditórios, o que contribuiu para o aperfeiçoamento técnico da autarquia e levou a política de defesa da concorrência brasileira a um nível de coesão muito alto, com adesão da sociedade e do Estado às agendas do órgão.

Por fim, Carvalho atribuiu à equipe do Cade o sucesso da sua gestão.

“Eu acredito que a minha grande contribuição para o sistema de defesa da concorrência nesse período todo, principalmente nos últimos quatro anos, foi ter montado a equipe que nós temos aqui. Meu conselho para o próximo presidente é que ele seja óleo na engrenagem e deixe as pessoas o ajudarem a decidir e a construir algo positivo. Para mim, esse foi o grande mérito que tivemos nos últimos anos”, concluiu.

Balanço da gestão e dos quatro anos da lei

Vinicius Marques de Carvalho assumiu a presidência do Cade no mesmo período em que passou a vigorar, em maio de 2012, a nova Lei de Defesa da Concorrência (Lei 12.529/11), que instituiu a análise prévia de atos de concentração e reestruturou a autarquia.

Durante os quatro anos, o Cade julgou 1.422 operações de fusões e aquisições de empresas. Nesse mesmo período, foram notificados à autarquia 1.466 atos desse tipo. Atualmente, o tempo médio de análise desses casos é de 29 dias. Em 2011, ano anterior à entrada em vigor da lei, o tempo médio foi de 154 dias.

Como a nova legislação tornou a análise de atos de concentração mais célere e eficiente, foi possível ao Cade intensificar a repressão a condutas anticompetitivas. Para se ter uma ideia, 44% dos julgamentos do órgão em 2015 se referiam a casos de ilícitos concorrenciais, enquanto até 2012 esse número oscilava entre 8 e 10%.

Ainda no que diz respeito a práticas lesivas à concorrência, o órgão tem se dedicado cada vez mais ao combate a cartéis – uma prioridade da política antitruste da atual gestão. Desde maio de 2012, o Tribunal do Cade julgou 170 processos administrativos. Desse total, 110 casos foram condenados, sendo que 47% deles são relativos a investigações de cartel.

As multas aplicadas em todas as condenações desse período somam mais de R$ 4,2 bilhões.

Outras frentes de atuação

Para intensificar ainda mais o combate a cartéis, o Cade modificou, em 2013, as regras para a celebração de acordos em investigações de condutas anticompetitivas, os chamados Termos de Compromisso de Cessação de Prática – TCC. 

Com a nova política, para celebrar acordos em processos que investiguem supostos cartéis as partes precisam confessar a participação no conluio, pagar uma contribuição pecuniária e colaborar com a investigação, caso o processo ainda esteja em fase de instrução. Desse modo, os TCCs tornam-se também ferramentas importantes para a obtenção de provas, que podem ser decisivas em investigações de processos administrativos e para a resolução efetiva de casos. 

Desde o advento da nova lei, o Cade celebrou, ao todo, 160 acordos dessa natureza em apurações de supostas práticas anticompetitivas, determinando o fim da conduta e de seus efeitos lesivos à concorrência e ao consumidor.

O Programa de Leniência do Cade também é um dos principais instrumentos de combate a cartéis no Brasil e no mundo. Desde a mudança da lei brasileira de defesa da concorrência em 2012 foram firmados com o Cade 45 leniências e aditivos a esses acordos em mercados diferentes e com signatários distintos.

Destaque-se que, em 2015, pela primeira vez foram submetidos ao órgão antitruste e celebrados os chamados acordos de leniência plus, em que uma empresa entrega provas de um segundo cartel ainda não conhecido pelo órgão, a fim de obter benefícios de redução de multa em outro processo já existente de investigação cartel.

Outro dado que reflete o esforço do Cade na repressão a cartéis se refere ao aumento no número de operações de busca e apreensão realizadas em investigações desse tipo de conduta. A partir da reestruturação do Cade, a Superintendência-Geral realizou 14 buscas e apreensões. Nos anos de 2009, 2010 e 2011 foram seis operações, no total.

Como consequência do aumento do número de acordos firmados com o Cade e de condenações aplicadas pelo órgão, em atendimento a sua função repressiva de investigar e posteriormente julgar condutas nocivas à livre concorrência, houve, a cada ano, acréscimo no valor de recolhimento de contribuições pecuniárias ao Fundo de Defesa dos Direitos Difusos. Somente no ano passado, o Cade arrecadou mais de R$ 524 milhões. Em 2011, ano anterior ao da instituição da nova lei, o valor total alcançou pouco mais de R$ 30,5 milhões.

Acesse o balanço de quatro anos da Lei 12.529/11.