Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Seminário em comemoração aos 50 anos do Cade aborda as fronteiras da defesa da concorrência

Notícias

Seminário em comemoração aos 50 anos do Cade aborda as fronteiras da defesa da concorrência

Seminário

Debates reuniram integrantes e ex-integrantes do Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 17/01/2013 12h00 última modificação: 23/03/2016 12h53

Na última quarta-feira (16/01), foi realizado no plenário do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade, o Seminário Fronteiras da Defesa da Concorrência. O evento faz parte do calendário comemorativo do cinquentenário da autarquia e contou com a participação de representantes do Conselho, de integrantes e ex-integrantes do Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência – SBDC, além de convidados externos.

Na abertura do Seminário, o presidente do Cade, Vinicius Marques de Carvalho, relembrou o histórico da autarquia, criada em 1962, e falou sobre os desafios do Cade para o ano de 2013. “Neste ano, o estoque de atos de concentração da lei antiga deve ser totalmente eliminado do SBDC. Esse é, talvez, o nosso principal objetivo”. Ele destacou ainda que com a reestruturação do Cade, em razão do advento da Lei 12.529 em maio do ano passado, a tendência é aumentar a proporção de condutas anticompetitivas julgadas. Em 2011 e 2012, atos de concentração econômica corresponderam a quase 90% dos processos decididos pelo Tribunal “Nós vamos buscar o equilíbrio na análise de atos de concentração e de condutas anticompetitivas”, afirmou o presidente.

Também no painel de abertura, o superintendente-geral do Cade, Carlos Ragazzo, ressaltou a busca da autarquia pela excelência na gestão. “É um compromisso que temos de melhorar o serviço que a gente entrega, tanto para a população quanto para as pessoas que compõem o dia a dia da defesa da concorrência”. Em 2012, a Superintedência-Geral analisou os atos de concentração sumários da nova lei em um tempo médio de 19 dias e, para Ragazzo, ainda há espaço para aprimorar a atuação do Cade. “Vamos aprofundar os processos de gestão para que haja melhorias e para que os atos de concentração sejam analisados com mais velocidade e qualidade”. 

Já o secretário de Acompanhamento Econômico – Seae do Ministério da Fazenda, Antonio Henrique Silveira, apresentou a evolução histórica da atuação da Seae, que completou 18 anos em 2013. Segundo ele, no início, a Secretaria tinha como função realizar apenas o acompanhamento de preços. Ao longo dos anos, ampliou suas competências e se destacou no quadro econômico nacional devido ao conhecimento e experiência adquiridos em regulação e por seu papel na advocacia da concorrência.

Fronteiras da Defesa da Concorrência – O evento teve ainda a apresentação de três painéis, que abordaram a relação da política antitruste com temas específicos. Pela manhã, o conselheiro do Cade Marcos Paulo Veríssimo, o ex-conselheiro Olavo Chinaglia, e o professor da Universidade de São Paulo – USP Diogo Coutinho discutiram os limites da atuação da defesa da concorrência com outras autoridades regulatórias.

À tarde, um painel conjunto abordou aspectos da defesa da concorrência como instrumento de promoção do desenvolvimento e discutiu as relações entre concorrência e política industrial. O debate foi moderado pelos conselheiros do Cade Ricardo Ruiz e Ana Frazão. Participaram ainda os ex-presidentes da autarquia Elizabeth Farina e Gesner Oliveira, o ex-conselheiro Luiz Carlos Padro, o professor Diogo Coutinho e o professor da Fundação Getúlio Vargas de São Paulo – FGV-SP Mário Schapiro.

O ex-conselheiro do Cade Paulo Furquim finalizou o evento com palestra sobre Concorrência e Poder Judiciário. Furquim apresentou dados de sua pesquisa sobre os custos das revisões judiciais de decisões administrativas de órgãos regulatórios. Na pesquisa, o Cade se destaca pela significativa redução, a partir do ano de 2008, do percentual de decisões revistas pelo Judiciário. O debate foi mediado pelo conselheiro do Cade Elvino Carvalho de Mendonça e teve a participação do procurador-chefe da autarquia, Gilvandro Araújo, e do ministro do Superior Tribunal de Justiça e ex-conselheiro do Cade Ricardo Cueva.

O áudio do Seminário Fronteiras da Defesa da Concorrência está disponível abaixo.

Parte 01

Parte 02