Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Superintendência do Cade conclui investigação sobre casos de abuso de direito de petição

Notícias

Superintendência do Cade conclui investigação sobre casos de abuso de direito de petição

Conduta Anticompetitiva

Parecer sugere condenação de indústria farmacêutica e arquiva inquérito contra fabricante de cosméticos
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 20/08/2014 10h30 última modificação: 18/04/2016 17h36

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade recomendou, em parecer publicado nesta quarta-feira (20), a condenação das empresas Eli Lilly do Brasil Ltda. e Eli Lilly and Company por abuso do direito de ação no Poder Judiciário com a finalidade de prejudicar a livre concorrência, prática conhecida internacionalmente como sham litigation (Processo Administrativo 08012.011508/2007-91).

O parecer aponta que a empresa tentou manter a comercialização exclusiva do medicamento Gemzar – cujo princípio ativo é o cloridrato de gencitabina, usado no tratamento de pacientes com câncer – movendo ações contraditórias e enganosas no Poder Judiciário e na Administração Pública. A estratégia da Eli Lilly era obter e prolongar indevidamente o monopólio temporário do princípio ativo.

Segundo a Superintendência, depois de reiteradas negativas do Instituto Nacional de Propriedade Industrial – INPI em conceder a patente do medicamento à empresa, ela recorreu ao Judiciário para obter a exclusividade do produto, mesmo tendo conhecimento de que o princípio ativo é de domínio público.

De acordo com as investigações, a indústria farmacêutica tentou alterar ilegalmente o escopo original do pedido de patente. A empresa também buscou impedir o INPI de proferir decisão final sobre a exclusividade por meio de liminar no Tribunal Regional Federal – TRF da 2ª Região. Ao mesmo tempo, sob o argumento de que o INPI estava demorando a concluir a matéria, conseguiu obter o monopólio temporário do produto no TRF da 1ª Região. Além disso, a Eli Lilly moveu ações com o mesmo objetivo anticompetitivo em juizados diferentes, recorrendo de decisões desfavoráveis a ela.

Em 2011, o Poder Judiciário, por meio de ação rescisória, reconheceu a improcedência dos direitos da empresa e desconstituiu as decisões judiciais anteriores.

A investigação teve início a partir de denúncia da Associação Brasileira das Indústrias de Medicamentos Genéricos – Pró Genéricos. Segundo a entidade, durante a vigência do monopólio das empresas a Secretaria de Estado de Saúde de São Paulo foi obrigada a adquirir o cloridrato de gencitabina por R$ 589. Com a revogação da liminar judicial que proibia outros concorrentes de ofertarem o produto, o medicamento passou a custar R$ 189.

Segundo a Superintendência, como resultado de suas condutas, a Eli Lilly conseguiu obter, entre 2007 e 2008, monopólio indevido no Brasil sobre a venda de gencitabina que acarretou em menos opções do medicamento no mercado e preços mais elevados, gerando graves prejuízos aos consumidores.

O processo segue agora para julgamento pelo Tribunal do Cade, responsável pela decisão final. Caso seja condenada, a empresa poderá pagar multa de 0,1% a 20% de seu faturamento.

Outra investigação 

Também nesta quarta-feira (20) a Superintendência-Geral publicou parecer recomendando o arquivamento do Inquérito Administrativo 08012.003303/2011-18 aberto contra a Niely do Brasil Industrial Ltda. para apurar prática de sham litigation.

A investigação teve início a partir de denúncia da Vargas Marcas e Participações Ltda. e da Phitoteraphia Biofitogenia Laboratorial Biota Ltda. de que a Niely teria abusado de seu direito de ação no Poder Judiciário gerando  efeitos anticoncorrenciais.

As representantes, fabricantes de produtos para cabelo, informaram que eram as proprietárias do registro “Gold” e que teriam sido impedidas de criar um cosmético com o nome “Novex Gold” em razão de ações judiciais movidas pela Niely – que alegou ter direito exclusivo do uso do termo estampado em embalagem dourada, e acusou as outras empresas de concorrência desleal.

Após a análise do caso, a Superintendência entendeu que as ações judiciais movidas pela Niely não são claramente infundadas ou enganosas nem têm condições de excluir ou prejudicar as empresas concorrentes. Desse modo, concluiu que o caso é uma disputa privada sem impactos potenciais sensíveis ao consumidor final, e que sob tais condições não é competência do Cade decidir sobre aspectos estéticos de embalagens dos produtos das empresas, razões pelas quais sugeriu o arquivamento do inquérito.  

O inquérito administrativo será definitivamente arquivado no prazo de 15 dias contados da publicação do parecer, caso não sejam apresentados recursos contra a decisão da Superintendência-Geral e não haja avocação do processo pelo Tribunal do Cade.