Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Superintendência do Cade impõe medida preventiva na investigação de cartel de combustíveis do DF

Notícias

Superintendência do Cade impõe medida preventiva na investigação de cartel de combustíveis do DF

Cartel

Medida determina intervenção em postos da Cascol
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 25/01/2016 16h00 última modificação: 18/04/2016 15h18

A Superintendência-Geral do Cade decidiu adotar, na tarde de hoje (25/01), medida preventiva no inquérito administrativo que investiga cartel de combustíveis no Distrito Federal e que culminou, no dia 24 de novembro, com a deflagração da Operação Dubai, conduzida pela Polícia Federal, pelo Ministério Público do Distrito Federal e pelo Cade (IA 08012.008859/2009-86).

A investigação já havia produzido estudos que apontavam para indícios de cartelização no mercado de combustíveis na capital federal, que foram recentemente complementados por interceptações telefônicas realizadas pela Polícia Federal e por evidências obtidas nas buscas e apreensões da Operação Dubai.

Após a deflagração da operação, o Cade permaneceu acompanhado o mercado, e constatou, analisando a pesquisa de preços mais recente realizada pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis – ANP, que em seguida ao recente reajuste do ICMS sobre os combustíveis, os postos revendedores, ao invés de se aproveitarem da oportunidade para fixarem seus preços de forma independente e não coordenada, aumentaram os preços dos combustíveis de forma concomitante, em patamares idênticos. Verificou-se também que o reajuste dos preços foi maior que o reajuste dos tributos, o que aumentou ainda mais a margem de lucro dos postos, que já se encontra em níveis muito superiores à maior parte dos estados brasileiros.

Além disso, a Superintendência entendeu que as provas já colhidas na investigação demonstram que o grupo Cascol (Gasol), em particular, é o líder absoluto do mercado, detendo cerca de 30% dos postos da região, e que existem evidências diretas tanto de sua participação no suposto cartel quanto de sua posição de liderança no conluio, que faz com que os postos concorrentes sigam as suas orientações e os seus reajustes de preços.

Dado esse cenário e os prejuízos crescentes causados aos consumidores do DF, na forma de preços estabelecidos muito acima do nível competitivo, a Superintendência entendeu haver indícios suficientes de infração à ordem econômica, combinados com danos irreparáveis à concorrência e aos consumidores, a justificar uma intervenção preventiva imediata no mercado, até que o processo administrativo seja julgado em sede final.

Medida de intervenção

A Superintendência considerou que a medida mais adequada e proporcional para reestabelecer a concorrência nesse mercado é determinar a nomeação de um Administrador Provisório, que administrará de forma independente os postos com bandeira BR de propriedade da Cascol, representativos de aproximadamente dois terços dos postos da empresa.

A Cascol terá 15 dias para apresentar ao Cade uma lista com ao menos cinco opções de Administradores Provisórios, com reputação ilibada, experiência e comprovada independência, para administrar os postos objeto da medida. O Cade escolherá um Administrador Provisório dentre os cinco indicados.

O Administrador Provisório escolhido deverá administrar os postos de forma desvinculada do suposto cartel e estabelecer seus preços sem qualquer coordenação com outros concorrentes. Foi também estabelecida uma diretriz para que, respeitada a garantia de equilíbrio econômico-financeiro do negócio administrado, mas considerando as atuais margens artificialmente elevadas do negócio, o Administrador Provisório, ao máximo possível, busque diminuir os preços praticados pelos postos revendedores sob a sua administração.

Espera-se que a medida forneça aos consumidores do DF uma gama ampla de opções de postos não alinhados com o suposto cartel, e que isso tenha como efeito uma resposta competitiva por parte dos demais revendedores, reestabelecendo padrões razoáveis de competição nesse mercado.

A medida terá duração de seis meses, podendo ser renovada enquanto durar o processo. No caso de descumprimento, a Cascol estará sujeita a multa diária de R$ 300 mil, sem prejuízo que o Cade execute a medida junto ao Judiciário.
A medida preventiva adotada pela Superintendência pode ser objeto de recurso ao Tribunal do Cade.