Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Superintendência do Cade pede condenação da Telemar por abuso de posição dominante

Notícias

Superintendência do Cade pede condenação da Telemar por abuso de posição dominante

Conduta Anticompetitiva

Caso segue para julgamento pelo Tribunal do órgão antitruste
por Assessoria de Comunicação Social publicado: 14/01/2014 09h30 última modificação: 04/05/2016 17h06

A Superintendência-Geral do Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade recomendou, em decisão publicada no Diário Oficial da União desta terça-feira (14), a condenação da empresa Telemar Norte Leste S/A por abuso de posição dominante no mercado de telecomunicações.

A infração (PA nº 08012.003918/2005-04) teria ocorrido no início dos anos 2000, quando a Telemar era detentora de mais de 90% do mercado de telefonia fixa na Região I do Plano Geral de Outorgas – que corresponde aos estados de RJ, MG, ES, BA, SE, AL, PE, PB, RN, CE, PI, MA, PA, AP, AM e RR.

A empresa teria realizado monitoramento das chamadas dos seus clientes para o call center da concorrente Vésper, então entrante recente no mercado, após o desenvolvimento do novo marco regulatório do setor de telecomunicações e a reestruturação do sistema Telebrás. Segundo a Superintendência do Cade apurou, a partir desse monitoramento a Telemar ofertava planos específicos para evitar a migração de seus clientes para a concorrente.

Em 2005, a Anatel emitiu decisão cautelar determinando a cessação da prática, por entender que poderiam ser gerados danos irreparáveis ou de difícil reparação à concorrência.

De acordo com a Superintendência do Cade, a Telemar se valeu indevidamente das informações sensíveis de clientes, às quais tinha acesso em razão da obrigatoriedade legal de interconexão das redes de telecomunicações, para dificultar o estabelecimento de concorrência. Ainda segundo a Superintendência, no contexto de abertura do mercado de telecomunicações, tal conduta apresentaria elevado potencial anticompetitivo, pois a Telemar teria condições de sistematicamente dificultar a entrada de qualquer novo concorrente, frustrando os objetivos de introdução de um ambiente competitivo que a nova legislação do setor buscava.

O caso segue agora para julgamento pelo Tribunal do Cade.